Pago Quando Puder
O que fazer quando você quebra um acordo de dívida

Quebra de acordo: renegociei uma dívida e não paguei. E agora?

Se tem uma coisa tão ruim quanto ter dívidas e  estar negativado, é fazer uma renegociação e quebrar o acordo. Na verdade, pode ser até pior. 

Mas entendemos que, infelizmente, isso pode acontecer. Nesses momentos acabamos tomamos decisões ruins, sem planejamento, apenas para nos livrarmos logo do dívida. 

Mas nem tudo está perdido quando uma há quebra de acordo e estamos aqui justamente para ajudar você que passa por essa situação.

O que é uma renegociação?

Renegociar sua dívida é firmar um novo contrato para pagar o débito com uma instituição. Então o que passa a valer é esse novo acordo. 

Nele, são reunidos todos os valores que você deve, incluindo os juros e taxas, e é feita uma negociação para pagamento desse novo valor, com condições que sejam boas para ambas as partes.

Logo, em até cinco dias úteis do pagamento da dívida à vista ou da primeira parcela, o seu nome é automaticamente retirado do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e do Serasa.

O problema é que muitas pessoas se pegam a esse detalhe e acabam pagando apenas a primeira parcela, se esquecendo das outras e da importância que esse acordo tem para manter o seu nome limpo

Qual a importância de manter o acordo renegociado?

Além de poder recuperar sua paz, não ter mais a dor de cabeça de estar devendo e não ser mais importunado por empresas de cobranças que ligam incessantemente, você só tem diversas outras vantagens mantendo seu acordo em dia. 

Para manter o nome limpo

Para um negativado, nada melhor do que a sensação de conseguir tirar seu nome do SPC. Por direito, após pagar seu débito, o credor tem até cinco dias úteis para retirar seu nome dos órgãos de proteção ao crédito. A partir daí, você começa a ganhar fôlego novamente para ter crédito na praça e organizar sua vida financeira.

Para não perder dinheiro e voltar ao ponto de partida

Fez o acordo, se comprometeu, mas não conseguiu pagar o débito? Neste caso, quando há quebra de acordo, a empresa pode voltar a cobrar o valor anterior da dívida, desconsiderando os pagamentos feitos sobre o novo acordo. Com isso você perde dinheiro e volta ao ponto em que tudo isso começou.

Para não perder as vantagens da renegociação e, em muitos casos, pagar menos

Ao fazer uma negociação, muitas empresas estão dispostas a reduzir valor da dívida, baixando ou eliminando os juros para garantir o pagamento e também para facilitar para o cliente.  E se você quebra, pode perder todas essas condições e voltar a ter um valor gigantesco de juros e multas para quitar.

Para melhorar o meu Cadastro Positivo

As datas de pagamento afetam diretamente a sua nota de crédito no Cadastro Positivo, que é uma espécie de currículo sobre o seu comportamento como pagador. E uma boa nota te ajuda a ter melhores condições de crédito, menos juros e diversos outros benefícios. 

E nós sabemos que deslizes acontecem e você pode ficar endividado. Porém, a melhor forma de manter um bom score é justamente renegociando a dívida o quanto antes e mantendo os seus pagamentos da renegociação em dia.

Como evitar a quebra de um acordo?

Na prática, é muito fácil quebrar um acordo, principalmente quando a negociação não foi bem planejada e você não deu aquela olhada nas suas finanças antes de fechar. Mas existem algumas formas de diminuir as chances de quebra de acordo e manter os pagamentos em dia.

Não faça o acordo apenas para limpar o seu nome

Limpar o nome é apenas um dos benefícios quando se paga uma dívida. Contudo, você não pode fazer um acordo somente para tirar seu nome do SPC e Serasa e depois se esquecer do débito, ignorando a importância do restante do pagamento. 

Além disso, a reincidência em dívidas só joga para baixo a sua reputação como bom pagador. E com isso você pode ser privado de diversos serviços financeiros — como cartões de crédito, empréstimos e financiamentos — por ter um histórico ruim.

Então, por mais que a ideia de resolver a sua negativação pareça muito atrativa em um momento específico em que você precisa de crédito na praça, lembre-se que essa pode não ser a única vez em que você precisará disso.

Planeje o pagamento das parcelas

Esse é o primeiro ponto a ser considerado na hora de fazer sua negociação. 

Escolha um valor que você saiba que vai dar para pagar sem passar aperto. Leve em consideração todos os seus outros gastos — especialmente os fixos, como água, luz e aluguel — , para não trocar seis por meia dúzia, pagando uma conta, mas atrasando outras.

Estabeleça uma data de vencimento que faça sentido — e fique atento a ela!

Escolha uma data próxima a que você recebe seu pagamento ou em que sabe que vai ter o dinheiro disponível. 

Além disso, coloque lembretes na agenda, no celular, na geladeira… onde mais for necessário para garantir que você não se esqueça daquele boleto! 

Conheça todas as suas possibilidades de acordo

Certifique-se de que o banco está realmente oferecendo as melhores condições para você efetuar o pagamento. Peça simulações do valor à vista e a prazo

Além disso, entenda todas as suas possibilidades:

  • Será com ou sem entrada? 
  • Quais são os juros em cada um desses cenários? 
  • Será que posso fazer uma parcela a menos pagando um pouco a mais? 
  • E se eu der uma entrada?

Tudo isso interfere diretamente nas suas possibilidades de descontos e, é claro, nas suas chances de conseguir quitar a dívida.

Ainda assim quebrei o meu acordo! O que fazer?

Por mais que você siga todos os passos, problemas podem acontecer no meio do caminho. Ou ainda, talvez você já esteja em uma situação em que a negociação foi feita e você acabou não conseguindo arcar com as parcelas.

Fique tranquilo: é ruim, mas sabemos que não é o fim do mundo. E algumas medidas podem reverter esse cenário muito rapidamente.

Entre em contato com a empresa que você está devendo ou com a qual você negociou — o quanto antes!

Nada é mais importante do que entrar imediatamente em contato com a empresa que você negociou para buscar um novo acordo ou uma nova data de vencimento para aquele boleto específico, especialmente se o atraso no pagamento é de poucos dias.

Entenda por que você quebrou a negociação

É fundamental ter em mente o motivo que o levou a quebrar o acordo: esquecimento, falta de planejamento, imprevistos financeiros, um gasto urgente não esperado… 

Entender a raiz do problema te ajuda a evitar que ele aconteça novamente, te dando uma visão mais realista das suas condições de renegociação dessa dívida. 

Reorganize a casa

Após avaliar o motivo, é hora de tomar a decisão de não deixar isso acontecer novamente. Se planeje, coloque mais lembretes, converse com a família e tudo o que for necessário para não passar pelo mesmo problema. 

Por fim, mas não menos importante…

Tenha consciência de que ter dívidas não é brincadeira. Uma hora ou outra você pode precisar de crédito para realizar algo importante e não conseguir por causa do seu histórico ou da sua negativação atual. Então limpe o seu nome, organize suas contas e tire proveito da tranquilidade de não ter nenhum débito atrasado.

E se ainda assim você está em uma situação diferente de tudo o que listamos e tem dúvidas sobre o seu processo de negociação ou quebra de acordo, deixe um comentário aqui embaixo que nós te ajudamos a sair dessa!

Aline Oliveira

Jornalista formada pelo UniBH, com especialização em Marketing Digital. Adora conversar sobre economia, finanças, investimentos, empreendedorismo e carreira.

1 comentário

Dá aquele like!

Curta nossas páginas nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades do Pago Quando Puder!

Receba as novidades!